" Pastora de núvens fui posta a serviço
por uma campina tão desamparada
que não principia nem também termina,
e onde nunca é noite e nunca madrugada"

Destino - Cecília Meireles





quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Do Meio da Navegação

      Do meio da navegação inverte-se meu caos, como cidades ironicas no meio do deserto.
      Do meio do fim aprende-se o caminho das células a se agruparem, e dos rostos a se descolar.
      Do meio da navegação que se pode encontrar o único selo capaz de unir.
      Mais do que celebram os deslumbrados,e a lógica que me surpreende.
     Do meio da navegação quando se abre o olhos, é que se pode ver  pequenos sentidos crescendos sem respostas.
      Do meio da navegação é que se entende o que já é entendido da vida.
 
     Sempre na Navegação;
    
     Inverte-se o caos, da maneira mais ironica nas coincidências,
     Do meio da Navegação é que se pode sorrir,
     é que se chora um choro conhecido,
     Do meio da irritação melaconcica e da saudável ignorãncia, volta seu corpo a lhe reconhecer num cenário nada diferente de uma eterna imensidão azul.
     Do meio da Navegação é que  se tritura menos o coração agora com as ondas que já aprendi!



Fasciculações a Todos!!!
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário